01 dezembro 2016

CONSUMO CONSCIENTE, REFLORESTAMENTO E UM FUTURO SUSTENTÁVEL

Envolverde Convida – O Futuro das Cidades

As cidades tornaram-se o habitat preferencial das pessoas. Até o final deste século quase 90% da população da Terra estará vivendo em centros urbanos.  O Brasil também passa por uma fase de grande concentração em cidades. Atualmente o País tem quase 20 cidades com mais de 1 milhão de pessoas. São Paulo com uma região metropolitana de 20 milhões e Rio de Janeiro com cerca de 11 milhões.
Como será a vida nessas cidades? Para buscar respostas, o Instituto Envolverde está realizando o Projeto Envolverde Convida – O Futuro das Cidades, uma oportunidade de diálogo entre jornalistas, especialistas para elaborar pensamentos e debater tendências em temas como habitação, transporte, educação, saúde e outros temas relevantes e que fazem parte do cotidiano da gestão pública local.
Foto: Shutterstock
Foto: Shutterstock

Para esta primeira edição teremos a participação da arquiteta e urbanista Ermínia Maricato e do diretor do ICLEI Rodrigo Perpétuo, além de um representante do Programa ONU Habitat, com mediação do jornalista Dal Marcondes, da Agência Envolverde.
A série “O Futuro das Cidades” terá 7 eventos
Com o apoio da Unibes Cultural, o primeiro encontro vai acontecer em 14 de dezembro de 2016, e os seis seguintes serão realizados durante o ano de 2017.
  • 14 de dezembro de 2016 – O Futuro das Cidades – Como você vai viver neste século
  • Março de 2017 – O Futuro das Cidades –Água: poluição, desperdício e escassez
  • Maio de 2017 – O Futuro das Cidades – Juventude e Trabalho: Como você vai trabalhar no século 21
  • Junho de 2017 – O Futuro das Cidades: Desafios do Antropoceno: Impactos das cidades sobre a biodiversidade
  • Agosto de 2017 – O Futuro das Cidades – Inovação: A economia do amanhã
  • Setembro de 2017 – O Futuro das Cidades – O sonho da mobilidade rápida
  • Novembro de 2017 – O Futuro das Cidades –A garantia de saúde para todos
As inscrições para todos os eventos são gratuitas.
Envolverde Convida – O Futuro das Cidades” conta com o apoio da Unibes Cultural, Brasil Kirin e ICLEI-Governos Locais pela Sustentabilidade, e com os parceiros Revista ECO21, Revista Plurale, Revista do Meio Ambiente, Instituto Mais e Rede Brasileira de Jornalismo Ambiental (RBJA).
Serviço
Data: 14 de dezembro de 2016
Hora: das 10h às 12h00
Local: Auditório Unibes Cultural – Rua Oscar Freire, 2.500 (ao lado do Metrô Sumaré)
Sobre o Instituto Envolverde
O Instituto Envolverde é uma organização social que mantém a Agência Envolverde, o principal site jornalístico sobre sustentabilidade, meio ambiente e desenvolvimento humano no Brasil. Com foco na cobertura de políticas públicas, a Envolverde promove eventos que ajudem a aprofundar o conhecimento sobre temas relevantes para a sociedade brasileira. Em 2018 o Projeto Envolverde completará 20 anos.
Sobre a Unibes Cultural
Não é de hoje que a Unibes trabalha para transformar a vida de milhares de famílias em situação de vulnerabilidade social com programas voltados à educação, capacitação, saúde e inclusão. Uma história que não acaba por aí, porque a Unibes sempre acredita que existem novas formas de contribuir para a sociedade.
Por isso criou, em 2015, na cidade de São Paulo, um novo centro cultural que nasceu com a vocação de apresentar os grandes temas globais e refletir sobre como são incorporados na cultura da cidade. Um lugar para a expressão de jovens talentos e nomes consagrados nas diferentes áreas de conhecimento. Espaço democrático e aberto a diversos públicos, com uma programação extensa e 90% gratuita para todos os gostos e idades.
A Unibes Cultural representa um novo marco no trabalho centenário da Unibes e comemora o seu primeiro ano com a casa cheia. Desde a sua inauguração, foram mais de mil eventos realizados e três mil e quatrocentos projetos acolhidos de empreendedores culturais. 
Mais informações
Instituto Envolverde – www.envolverde.org.br
Ana Maria Vasconcellos
(13) 3323-1191
(11) 3034-4887
Unibes Cultural
Rua Oscar Feire, 2500 – ao lado do Metrô Sumaré
Informações: (11) 3065-4333 e atendimento@unibescultural.org.br
Funcionamento: De segunda a sábado, das 10h às 19h
Acesso para deficientes
Ar condicionado
WI FI livre
Tem local para comer
Não tem estacionamento – sugerimos o uso de transporte público
(#Envolverde)

Blairo Maggi, constrangimento na COP 22

por Reinaldo Canto — publicado 21/11/2016 09h43
Em encontro mundial sobre mudanças climáticas, ministro da Agricultura de Temer ironizou mortes em conflitos agrários

Marcelo Camargo / Agência Brasil
Blairo Maggi
Maggi: na COP 22 ele reconheceu o aquecimento global, mas chocou ativistas com algumas de suas declarações
De Marraquexe, no Marrocos
Blairo Maggi ajudou, na COP 22, realizada em Marraquexe, no Marrocos, a moldar a nova imagem internacional do Brasil sob o governo de Michel Temer. Durante o chamado Segmento de Alto Nível do encontro, que debate as mudanças climáticas no mundo, a chefia da delegação brasileira esteve a cargo do ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, mas quem se “destacou” foi o ministro da Agricultura.
Na quinta-feira 17, Maggi causou mal-estar ao contestar as mortes ocorridas em conflitos no campo. O Brasil lidera o ranking de assassinatos, segundo a ONG Global Witness, com 50 mortes em conflitos agrários em 2015.
“Só 50”
Para o ministro, esses números não refletem a realidade, pois muitas dessas mortes foram causadas por motivos que nada teriam a ver com ativismo ou disputa por terras, “quando se vai fundo nas investigações, descobre-se que as razões das mortes foram outras”, disse, citando “problemas de relacionamento” como um dos motivos.
Mais grave, Maggi ironizou as mortes. Em uma aparente confusão com o número mundial de assassinatos em conflitos agrários (185 segundo a Global Witness), Maggi disse ter visto uma “redução” de um dia para o outro.
“Fico feliz em saber que de ontem para hoje morreram menos 150 ambientalistas, porque ontem ouvi que eram 200 por ano e agora diz aqui que foram só 50.”
Aquecimento global
Em suas intervenções, sejam elas para o público brasileiro ou em painéis com representantes estrangeiros, Maggi foi bastante veemente em defender o agronegócio brasileiro e discordar de posicionamentos caros aos ambientalistas.
Apesar de reconhecer as mudanças climáticas como algo “comprovado cientificamente e um grande risco para a produção de alimentos no país” e sentir na pele, como proprietário rural, “estão quebrando safras como eu nunca vi antes” e refletir sobre o futuro “como meus filhos e netos vão fazer agricultura nesse clima?”, Maggi não deixa de contestar as reservas legais definidas no Código Florestal. O ministério comandado por ele é um dos principais guardiões dessa legislação.
“Imagine um hotel que tenha 100 quartos, mas que só possa comercializar 20 unidades. As outras 80 ele tem que manter fechadas”, fazendo menção às propriedades rurais existentes no bioma amazônico que precisam manter 80% de suas áreas preservadas. O ministro só não explicou porque uma lei como essa seria válida para um hotel. Quais razões haveria para uma interdição absolutamente sem nexo? Já a definição das regras para as reservas legais foi exaustivamente debatida no Congresso Nacional e faz todo o sentido no contexto ambiental.   
O ministro tem reclamado do posicionamento dos países ricos quanto à falta de reconhecimento dos esforços brasileiros para conservar áreas florestais e, portanto, contribuindo para evitar a emissão de gases de efeito estufa.
Segundo ele, “outros grandes produtores de alimentos como Estados Unidos, Argentina e Canadá não possuem reservas legais como nós, mas isso não nos traz vantagens”. Nesse caso, Maggi considera um problema assumirmos esse “ônus”, enquanto outros países não o fazem e desconsidera os serviços ambientais prestados pelas florestas, inclusive, para a produção de alimentos.
Mesmo representando o governo que recentemente ratificou o Acordo de Paris (assinado por Temer) Blairo Maggi se mostra preocupado com o que o Brasil se comprometeu. “De onde virão os 40 bilhões de dólares que deverão custar a restauração de 12 milhões de hectares e a recuperação de 15 milhões de hectares de pastagens?”.
Neste caso, Maggi é acompanhado pelos ambientalistas, que também têm dúvidas quanto à origem dos recursos para uma demanda dessa proporção.
Para não parecer um estranho no ninho ao fazer questionamentos às ações previstas para o combate às mudanças climáticas no Brasil e no mundo em plena conferência do clima, o ministro tentou estender as mãos aos ambientalistas, cuja ação ele faz questão de elogiar, “produtores e ambientalistas agora andam juntos”.
Então, estamos todos no mesmo barco. Entendido?

COP22: ONU lança alerta

Por Reinaldo Canto, de Marrakech, especial para a Envolverde e para o Projeto Cásper Líbero na COP 22 – 
Empregos, crescimento e geração de renda serão beneficiados diretamente pelos esforços em conter as mudanças climáticas.
O PNUD – O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento acaba de lançar aqui no Marrocos um relatório* que estuda as oportunidades em cumprir o Acordo de Paris, ou seja, limitando o aumento médio da temperatura do planeta em 1,5° C.
O relatório conclui que o crescimento econômico medido pelo PIB seria até 10% maior, se esse limite for mantido, o que representa cerca de US$ 12 trilhões a mais, se for comparado a manter os atuais índices de emissão dos gases de efeito estufa que podem contribuir para um aumento de 3 ° C ou mais.
15

Para o PNUD, o a meta prevista no acordo global de 1,5 ° C é viável e necessária, para tanto será importante aumentar os esforços para zerar as emissões e chegar até o final do século a 100% no uso de energias renováveis.
Dados inéditos apontados pelo estudo afirmam que poderiam ser criados 68% mais empregos mantendo o limite do aquecimento global do que caso o 1,5º seja ultrapassado.
Segundo o Dr. Michiel Schaeffer, co-diretor da Climate Analytics e co-editor do relatório, os impactos e riscos geofísicos e biológicos aumentam significativamente de 1,5 ° C para 2 ° C. “Tanto para os países desenvolvidos como em desenvolvimento, os danos muito menores causados pela mudança climática em um caminho de 1,5 ° C significam que as oportunidades de crescimento econômico podem ser preservadas em grande parte. Na ausência de ação climática, essas oportunidades seriam substancialmente reduzidas até a década de 2040 “.
Já Matthew McKinnon, Gerente de Projeto do PNUD, afirma que as conclusões do relatório deixam claro que o corte de emissões prejudicariam o crescimento. “É exatamente o oposto: a mudança climática é tão ameaçadora para o crescimento que enfrentá-la tornou-se uma das maiores responsabilidades de desenvolvimento que enfrentamos”, acrescentando que “o desafio agora é garantir o acesso generalizado a toda a gama de benefícios de uma ação climática agressiva.” (#Envolverde)
*O relatório está disponível neste link.

COP 22: a insustentável leveza de Blairo Maggi em Marrakech

Por Reinaldo Canto, direto de Marrakech, especial para a Envolverde e Projeto Cásper Líbero na COP 22
Ministro da Agricultura é protagonista de reclamações, elogios, contestações e comparações no mínimo polêmicas.
Nesta segunda e última semana da COP 22 teve início o chamado Segmento de Alto Nível. Nesta fase, a chefia da delegação brasileira está a cargo do Ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, mas quem tem agitado a participação do Brasil é o nosso Ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi.
Em suas intervenções, sejam elas para o público brasileiro ou em painéis com representantes estrangeiros, Maggi, tem sido bastante veemente em defender o agronegócio brasileiro e discordar de posicionamentos caros aos ambientalistas.

Apesar de reconhecer as mudanças climáticas como algo “comprovado cientificamente e um grande risco para a produção de alimentos no país” e sentir na pele, como proprietário rural, “estão quebrando safras como eu nunca vi antes” e refletir sobre o futuro “como meus filhos e netos vão fazer agricultura nesse clima?” Maggi não deixa de contestar as reservas legais definidas no Código Florestal e cujo seu Ministério é um dos principais guardiões, “imagine um hotel que tenha 100 quartos, mas que só possa comercializar 20 unidades. As outras 80 ele tem que manter fechadas”, fazendo menção às propriedades rurais existentes no bioma amazônico que precisam manter 80% de suas áreas preservadas. O ministro só não explicou porque uma lei como essa seria válida para um hotel. Quais razões haveria para uma interdição absolutamente sem nexo? Já a definição das regras para as reservas legais foi exaustivamente debatida no Congresso Nacional e faz todo o sentido no contexto ambiental.
O ministro tem reclamado do posicionamento dos países ricos quanto à falta de reconhecimento dos esforços brasileiros para conservar áreas florestais e, portanto, contribuindo para evitar a emissão de gases de efeito estufa. Segundo ele, “outros grandes produtores de alimentos como Estados Unidos, Argentina e Canadá não possuem reservas legais como nós, mas isso não nos trás vantagens”. Nesse caso, Maggi considera um problema assumirmos esse “ônus”, enquanto outros países não o fazem e desconsidera os serviços ambientais prestados pelas florestas, inclusive, para a produção de alimentos.
Outra polêmica de Maggi foi causada quando ele contestou o número de ativistas ambientais assassinados. O país lidera o ranking, segundo a ONG Global Witness, com 50 assassinatos. Para o ministro, esses números não refletem a realidade, pois muitas dessas mortes foram causadas por conflitos que nada tem a ver com ativismo ou disputa por terras, “quando se vai fundo nas investigações, descobre-se que as razões das mortes foram outras”.
Mesmo representando o governo que recentemente ratificou o Acordo de Paris (assinado pelo Presidente Michel Temer) Blairo Maggi se mostra preocupado com o que o Brasil se comprometeu, “de onde virão os 40 bilhões de dólares que deverão custar a restauração de 12 milhões de hectares e a recuperação de 15 milhões de hectares de pastagens?”. Aliás, nesse caso, ele é acompanhado pelos ambientalistas que também tem dúvidas quanto à origem dos recursos para uma demanda dessa proporção.
Para não parecer um estranho no ninho ao fazer questionamentos às ações previstas para o combate às mudanças climáticas no Brasil e no mundo em plena conferência do clima, nosso ministro estende as mãos aos ambientalistas, cuja ação ele faz questão de elogiar, “produtores e ambientalistas agora andam juntos”.
Então, estamos todos no mesmo barco. Entendido? (#Envolverde)

17 novembro 2016

COP 22: Cada vez mais quente, ainda restam dúvidas?

Por Reinaldo Canto para a Envolverde e projeto Cásper Líbero na COP 22
Ainda não é oficial, mas segundo anúncio da Organização Meteorológica Mundial* especialmente para a COP 22, tudo leva a crer que este ano vai superar o recorde anterior que foi de… 2015. Se no ano passado todos os registros históricos foram ultrapassados, agora temos novos índices ainda mais sufocantes.
Esse levantamento preliminar apontou que as temperaturas globais deste ano estão aproximadamente 1,2°Celsius acima comparados aos registrados nos níveis pré-industriais.
A OMM informou que, de janeiro a setembro, foram apurados aumentos de 0,88°Celsius acima da média de 14°C (referência usada pela organização que vai de 1961 a 1990). 
Para os céticos que ainda resistem a aceitar os fatos sobre o aquecimento progressivo do planeta, a Organização Meteorológica Mundial afirma que ao se tornarem oficiais os números deste ano, 16 das 17 temperaturas mais altas registradas na história, ocorreram neste século. O outro ano mais quente foi 1998.
“Mais um ano, mais um recorde. As altas temperaturas que vimos em 2015 estão a caminho de serem ultrapassadas em 2016”, alertou o Secretário-Geral da OMM Petteri Taalas durante a apresentação do relatório ainda preliminar.
Entre os fatores apontados como determinantes para essas altas temperaturas estão o efeito do El Niño entre 2015 e 2016; as concentrações cada vez mais altas dos gases de efeito estufa na atmosfera e todas as suas nefastas consequências para o meio ambiente e, claro, para a vida de

“Por conta das mudanças climáticas, aumentou a ocorrência de eventos climáticos extremos. No intervalo de uma geração, ondas de calor e inundações estão se tornando mais regulares. A elevação do nível do mar aumentou a exposição a tempestades associadas a ciclones tropicais” afirmou Taalas.
todos os habitantes do planeta, humanos e não humanos. A redução das camadas de gelo no Ártico e na Groenlândia; o branqueamento dos corais; a elevação do nível do mar e o agravamento dos fenômenos climáticos extremos que tanta dor e destruição vem causando planeta afora, como foi o caso do Furacão Matthew que atingiu principalmente o Haiti e foi a pior crise humanitária no país desde o terremoto de 2010.
Para o secretário-executivo da OMM, antecipar as informações para a reflexão dos negociadores presentes à COP 22 aqui em Marrakech é uma oportunidade de aprofundar as decisões e o grau de conscientização para a urgência de ações efetivas no combate às mudanças climáticas.
“O Acordo de Paris entrou em vigor em tempo recorde e com compromisso recorde global. A OMM apoiará a transição do Acordo de Paris em direção a ações concretas” completou ele.
A declaração final da Organização Meteorológica Mundial será publicada no começo do próximo ano, já com todos os dados de 2016 consolidados. (Projeto COP22 Casper líbero/#Envolverde)
*A Organização Meteorológica Mundial é a voz das Nações Unidas para o tempo, o clima e a água. public.wmo.int 

10 novembro 2016

COP 22: O furacão Trump

Por Reinaldo Canto, de Marrakech, especial para a Envolverde –

A aversão à política tradicional atinge seu auge, repercute em Marrakech e ameaça conquistas do Acordo de Paris
O choque foi grande entre as delegações dos países presentes à Conferência do Clima no Marrocos, quase sem manifestações oficiais, praticamente todos tem demonstrado muita preocupação com o futuro do Acordo de Paris.

trump
Donald Trump, presidente eleito dos Estados Unidos

Ainda é cedo para saber o quanto a presidência de Trump irá alterar o que foi conquistado até agora, mas para Carlos Rittl, secretário-executivo do Observatório do Clima, independente do que ele irá fazer, o mundo não está a mercê dos Estados Unidos, “a agenda climática deixou de depender de apenas um país, como no passado. O Acordo de Paris já tem 102 ratificações, além da americana, e esses países não vão esperar pelos EUA para agir, porque isso é interesse deles. Uma economia inteira baseada em energias renováveis está em movimento no mundo, e representa uma fatia crescente do PIB e da geração de empregos nos próprios EUA. As convicções pessoais de Trump terão, em alguma medida, de se enquadrar a essa realidade.”
Uma forte declaração em forma de apelo, foi dada pela Presidente Hilda Heine, das Ilhas Marshall, pequeno país da Oceania com apenas 52 mil habitantes. Segundo ela, Trump tem sido a fonte de muita discussão sobre as mudanças climáticas, mas passada a campanha as coisas podem mudar de tom. “Espero que ele perceba que a mudança climática é uma ameaça para o seu povo e para países inteiros que partilham mares com os EUA, incluindo o meu próprio. O Acordo de Paris sobre as alterações climáticas tornou-se lei tão rapidamente porque há um interesse nacional significativo para cada país na busca de uma ação climática agressiva.  Para nós isso significa sobreviver e prosperar”.
Difícil imaginar que Trump vai estar preocupado com as questões globais, mas será que ele deverá mudar o que está indo no bom caminho? Para Christiana Figueres,  ex-secretária-executiva das Nações Unidas para as Mudanças Climáticas, responsável pela condução do Acordo de Paris no ano passado, “muito além da  política nacional, a modernização do sistema energético e da infraestrutura básica é boa para a economia americana, para o emprego e para o crescimento”.
Uma reflexão no mesmo caminho foi a levantada por Tina Johnson, Diretora de Política, da Rede de Ação Climática dos EUA. “O presidente eleito tem a oportunidade de catalisar mais ações sobre o clima que enviem um sinal claro para os investidores e manter a transição para uma economia renovável. China, Índia e outros concorrentes econômicos estão competindo para serem as superpotências em energia limpa global e os EUA não querem ser deixados para trás.”
O mundo amanheceu em choque e deverá agora se acostumar com a dura realidade da nova presidência americana. Mas nada fácil também será a vida de Trump diante de tantos desafios. Isso deixou bem claro, Annaka Peterson, Oficial de Programa Sênior, Oxfam América, “O mundo não vai esperar pelos EUA, nem o clima. Este ano, os impactos da mudança climática custaram aos EUA centenas de bilhões de dólares e colocaram 40 milhões de pessoas em risco de fome somente na África do Sul. O próximo presidente precisa trabalhar com o Congresso para avançar mais rápido para reduzir as emissões e proteger os direitos de homens e mulheres na linha de frente da crise climática.”
Donald Trump, seja bem-vindo ao cenário das mudanças climáticas, esse é o mundo que você irá encontrar!!  (#Envolverde)